2014/11/14 – Heavy-Metal: André Matos analisa a origem do gênero

FOTO: Divulgação

Prestes  a desembarcar em Fortaleza, André Matos concedeu entrevista ao Caderno 3, do Diário do Nordeste.  O ex-vocalista da banda Angra e ícone do metal nacional falou das próprias teorias sobre o surgimento do Heavy-Metal, além da preferência dos fãs pelo tradicional. Confira o texto na íntegra:

Ian Christe, em seu livro “Heavy Metal: A história completa”, apresenta uma interpretação que o gênero surgiu como uma ruptura drástica do rock, mas curiosamente foi se tornando mais e mais tradicionalista. O que você acha disso? Há algum tipo de pressão – dos fãs sobretudo – do que se pode e do que não se pode fazer com o metal?

“Bem, há várias teses sobre o Heavy Metal e esta é uma delas. Tenho minhas próprias ideias e teorias a respeito, e que são bastante subjetivas, calcadas na minha própria experiência e também na minha formação musical, que vai do rock ao erudito – sem que haja detrimento de um estilo em função do outro. Acho que, em resumo, o Heavy Metal derivou inicialmente do Rock´n´Roll, a partir do momento em que alguns artistas, principalmente os ingleses como The Who, Led Zeppelin, Pink Floyd e Deep Purple começaram a flertar com um som mais pesado. E, ao mesmo tempo em que incorporavam as batidas e a sonoridade herdadas de figuras como Jimmy Hendrix ou até mesmo Beatles (sim, existe Metal nos Beatles, é só olhar a fundo) – alguns deles jé possuíam um vago conceito de que este estilo poderia ser ligeiramente mesclado a alguns conceitos herdados da música clássica Ou seja, talvez tenha sido um dos tantos pontos de encontro entre a música dita “negra” (Blues, Jazz) e “branca” (Clássico, Folk).

O que acontece a seguir é o surgimento de um elemento um pouco mais ‘marcial’, de caráter curiosamente quase mitológico, com o surgimento de bandas como Judas Priest e Iron Maiden. Isso sem falar no próprio Queen, que conseguiu o feito de ser a única banda que talvez tenha passeado por todos os estilos com propriedade e ao mesmo tempo – e que serviu de inspiração a muitos contemporâneos e aos que vieram depois. Quase ao mesmo tempo, surge o Punk-Rock na Inglaterra. E, como resposta a este, o Hard-Rock nos EUA. Já na Alemanha e no resto da Europa, há o surgimento do metal mais melódico – por sua vez respaldado na América com o aparecimento do estilo ainda mais pesado: o Thrash-Metal.

Enfim, é bastante difícil relativizar esses acontecimentos de forma cronológica; acredito mais que eles foram acontecendo e se desenrolando quase que tridimensionalmente, no tempo-espaço.

Concluindo- e respondendo a última parte de sua pergunta: em minha opinião, tudo pode ser tentado e pode ser feito em música – desde que com bom-senso e na medida certa. Certos artistas ‘erram a mão’ ao experimentar de mais. Ao mesmo tempo, acredito que não experimentar nada e seguir se repetindo ao infinito, além de tremendamente oportunista, leva à total estagnação musical – o que, para mim significaria um tipo de invalidez permanente do ponto de vista artístico”.

Leia mais na edição do próximo sábado (15) do Diário do Nordeste

As informações são de Dellano Rios, editor do núcleo de Cultura do Diário do Nordeste

Fonte: http://blogs.diariodonordeste.com.br/rocknordeste/entrevistas/heavy-metal-andre-matos-analisa-a-origem-do-genero/

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s