2009 – Mentalize

 

ANDRE MATOS
Mentalize
Azul Music – nac.
O nome Andre Matos é mais que uma lenda é uma realidade, uma instituição. Sim, tudo o que o cara fez com Viper ele já seria cult até hoje. Depois com o Angra, nosso orgulho nacional. Com o Shaman, a longevidade de sempre estar disposta a recomeçar. Agora em carreira solo, já tem dois discos em 2 anos. Sem contar o Virgo, num anexo Pop em sua carreira e várias participações, a maior de todas no Avantasia, fazendo parte da banda de palco. A banda de agora é André Hernandes, Luis Mariutti (fiel escudeiro no Angra e Shaman e agora na banda solo), Hugo Mariutti (mano do Luis e Shaman), Fabio Ribeiro e Eloy Casagrande (o garoto revelação – o moleque senta o braço! O CD foi mixado e masterizado no Gate Studio, em Wolfsburg, por Sascha Paeth e Miro Rodenberg (como quase sempre Mr. Matos faz). As gravações ocorreram durante os meses de maio, junho e julho no Brasil e na Alemanha. Agora, André está na Azul Music, um selo especializado em Jazz e Blues e que lançou aqui muita coisa de guitarristas (Steve Vai, Stanley Jordan, etc.). Sim, o nome dele pesa para negociar com gravadoras. Com o Viper, Mr. Matos passou pela Eldorado, pelo Angra também Eldorado, depois Paradoxx, com o Shaman, pela Universal e Deck Disc e solo, distribuição da Universal e agora Azul Music. Mentalize tem tudo para ter mais sucesso que seu antecessor e debut solo Time To Be Free. Agora está numa gravadora, não é só distribuição. Em Time To Be Free demorei quase um ano para receber o promo, por diversos motivos burocráticos da distribuidora. Agora, recebei em poucos dias (e o mesmo deve se estender ao restante da imprensa). Time To Be Free foi um disco concebido no meio do caos, situações parecidos com Fireworks (Angra) e Reason (Shaman). Agora as coisas estão mais estabilizadas e isso refletiu nas composições. Qualitativamente, ambos são equivalentes, com alguma vantagem para o atual. Porém o lado mental, até para distribuir as músicas no CD, para que o mesmo tenha uma seqüência e uma musicalidade (todo disco precisa ter isso, mesmo os não-conceituais). Ou seja, agora Mr. Matos tem mais repertório para tocar ao vivo (já são dois discos solo) ficando uma pitada apenas para suas ex-bandas. Andre, se compara com Ozzy nesse lance de mudar de banda, mas eu o comparo com o Dio. Pois o mesmo, tocou com Elf, Rainbow, Black Sabbath e só depois partiu para carreira solo. O encarte é vazado, com um tipo de roda ou lamina, do qual em seus buracos, vê-se o CD em cor metal abaixo. Mais Metal impossível! Leading On abre bem estilo Shaman, um belo Power Metal Melódico, característico e propício para abertura de discos. I Will Return é quase Hard Rock, com uma veia com muita influência de AOR, melódica, pegajosa, mostrando como Andre Matos é um dos melhores compositores de Heavy Metal do mundo! A música é fabulosa, algo comercial e acessível sim, e conta ainda com um lindo solo de guitarra! Aliás, esta faixa tem algo de Virgo, projeto Rock Pop de Matos com Sasha Paeth. Someone Else em algumas batidas que se não são tribais, remetem àquela sonoridade brasileira. Shift The Night Away é um Speedy Metal característico de todas as bandas que Andre passou. Back To You é uma majestosa balada, que se tiver investimento da gravadora, pode até tocar nas rádios e ter o mesmo patamar de Lisbon (Angra – Fireworks) ou Fairy Tale (Shaman, que foi tema do vampiro Boris, da novela O Beijo do Vampiro). Potencial para isso tem! A faixa-título tem aquele lado anos 80, daqueles Heavy’s clássicos, quase como hinos, com influência de Queensrÿche pré-Operation MindcrimeThe Myriad é mais Shaman, com aqueles climas e atmosferas típicas desta fase de AM. When The Sun Cried Out seria a menos legal até agora. Já Mirror Of Me é outro momento certeiro, direto e acessível com levadas contagiantes. Violence mescla tudo, desde uma bateria quase Thrash, riffs de NWOBHM, passagens cadenciadas épicas, melodia Prog Metal (sem as quebradeiras) é uma das melhores faixas do CD e um dos melhores momentos da carreira de Andre Matos! Sim! Depois que o outrora menino prodígio fez no Viper, Angra e Shaman, em sua carreira solo, continua com inspiração e talento! Esta faixa mescla momentos melódicos, com outros caóticos, quebrando do nada para apenas piano. Fantástica! A Lapse In Time é uma balada, com voz e piano o tempo todo, e pude sentir uma influência de Beatles e Paul McCartney aqui. Quebrando todo o ritmo, da balada quase celestial, vem o Melodic Speedy Power Fucking Metal de PowerStream, que apesar de uma estrutura já usada a exaustão, ainda Matos encontrou lugar para caber sua inspiração, sendo uma faixa legal. Encerrando, me assustei com Don’t Dispair. Peguntei pra mim mesmo, que cacetada é essa? Me parecia familiar e descobri que é uma regravação da música que o Andre compôs para o Angra e que está presente na Demo Reaching Horizons da banda). Ou seja, Andre Matos é o músico mais completo do Brasil, um dos melhore vocalistas, senão o melhor, um dos melhores vocalistas, talvez o melhor e variado. Sabe compor baladas, Power Metal, tudo! Sem soar caricato, datado, repetitivo e sem também sair totalmente do Heavy Metal, como muitos tem feito. Ele sabe evoluir, reciclar e mudar dentro do seu estilo! JCB – 10

01. Leading On
02. I Will Return
03. Someone Else
04. Shift The Night Away
05. Back To You
06. Mentalize
07. The Myriad
08. When The Sun Cried Out
09. Mirror Of Me
10. Violence
11. A Lapse In Time
12. PowerStream
13. Don’t Dispair