2002/07/09 – Shaman em Brasília

Festival Independência e Rock – Brasília/DF (07/09/2002)
Por: Welbert Rabelo, Kelly Moura e Thiago Crispim (Equipe da Metal Brasil)
Créditos Fotos: Sua Turma.com/ Metal Brasil

Normalmente o dia da independência é chuvoso e monotóno em Brasília. A SAMARA PRODUÇÕES e a TOPLINK MUSIC em 2002 resolveram quebrar a rotina da capital federal para proporcionar uma autêntica noite de metal, principalmente para os headbangers que esperam para ver Andre Matos, Ricardo Confessori e Luis Mariutti há mais de 10 anos, desde os tempos do ANGRA.

O evento que estamos falando é o 1º INDEPENDÊNCIA E ROCK, realizado obviamente no dia 07 de setembro. O evento contou com a participação das bandas SR. CABEÇA DE BATATA (que não só tocou covers, mas mostrou influências de JOE SATRIANI e STEVE VAI), o DEATH SLAM (com seu já conhecido Hardcore e Trash Metal cru no underground), o BACKSTROKE (que sempre nos remete ao saudoso tempo da Bay Área no Estados Unidos com seu Trash Metal vigoroso), o NARCOZE (que aproveitou a ocasião de mostrar as músicas do seu novo álbum Genoma) e o headline da noite, SHAMAN (que é mais um grande nome do metal que desembarca em Brasília).

O SHAMAN chegou ao Planalto Central em torno das 12 horas, ocasião em que foram verificar o local do show, almoçar e depois descansar no hotel até a hora da passagem de som. Aliás, descanso merecido, pois, além da banda ter tocado em Uberlândia/MG na noite anterior, veio de ônibus até a capital federal. O grupo chegou ao local do evento para a passagem de som às 17 horas e 30 minutos, razão pela qual atrasou o início das apresentações, previsto para às 18 horas. No entanto, nada que comprometesse a programação do 1º INDEPENDÊNCIA E ROCK.

Após a passagem de som, a equipe da METAL BRASIL esteve no camarim para um bate-papo bastante agradável com os integrantes do SHAMAN, ocasião em pudemos conferir sobre todas as faixas do álbum de estréia Ritual e algumas curiosidades de seus componentes. A entrevista com o conjunto pode ser vista aqui.
Após a apresentação das bandas de abertura, a equipe da SAMARA PRODUÇÕES foi ao palco para agradecer a presença de todos, bem como mostrar a seriedade e responsabilidade de seu trabalho, posto que sempre cumpriram com suas promessas e trouxeram vários grupos (NIGTHWISH e SAXON dentre outros) e organizaram o tradicional CARNAROCK (realizado todos os anos).

Na oportunidade, aproveitamos para abrir um parênteses e esclarecer que a postura se deu pelo fato de que devido ao cancelamento do show do BLIND GUARDIAN em Brasília, com o conseqüente prejuízo de diversas pessoas e patrocinadores que até hoje não receberam seu dinheiro de volta, muitos foram os que duvidaram sobre a veracidade e a realização do evento. Além deste grave problema, o mau tempo e os R$ 25,00 (vinte e cinco reais) cobrados pelo ingresso, a essa altura do mês, também não ajudava muito. Ademais, o álbum Ritual, mesmo que lançado pela Universal Music, ainda não havia chegado às prateleiras das lojas da capital federal, obrigando os interessados a buscarem as músicas da SHAMAN na Internet. Talvez, por tudo isso, o público não tenha passado de 400 pessoas – que certamente, viveram uma noite inesquecível e muito especial.

Em torno das 23 horas e 30 minutos, começa a rolar a introdução do show com a faixa de abertura do álbum Ritual “Ancient Winds”. Em seguida, rolam “Here I Am” e “Distant Thunder” que, de imediato, levanta a platéia que canta as músicas junto com Andre. Aliás, deve ter sido algo que surpreendeu a banda que nunca tinha estado em Brasília. Após dar o boa noite aos presentes, o show segue com “Time Will Come” e “For Tomorrow”.

Para quem teve a oportunidade de ter assistido o show do ANGRA no final do ano passado em Brasília, pode comparar a grande diferença na proposta musical entre os “remanescentes” e os “desertores” do racha. Enquanto a nova formação ANGRA aposta no Metal Melódico mesclado ao Heavy Clássico, na pegada e no coral de vozes dos seus integrantes, o SHAMAN apresenta um som pesado, com influência ora oriental, ora barroca, quase sempre numa fascinante atmosfera medieval.

Destaque para a boa qualidade do som, onde podemos comprovar que os agudos de Andre são insanos. Além da extrema qualidade de Ricardo e Luis, ficou clara a integração de Hugo aos demais integrantes, que aliás toca muito. Após a execução das faixas do álbum Ritual, o grupo manda a primeira e tão aguardada música da fase ANGRA: “Wings Of Reality” (do álbum Fireworks), cantada por todos os presentes que há anos esperavam para ouvir as músicas do grupo anterior ao vivo.

A ótima reação se transformou em reverência quando o conjunto mando outra do ANGRA, “Lisbon”, que foi um dos momentos mais altos do show. Logo após, Hugo começa a hipnotizar a platéia com os excelentes solos de guitarra, ocasião em que ao término é emendado com o solo de bateria de Ricardo Confessori, que cá prá nós, o cara deu uma aula de técnica no instrumento e foi bastante ovacionado por todos os presentes. Sem dó, o SHAMAN emenda com as excelentes “Blind Spell” e “Over Your Head”. Nem precisa dizer que a esta altura haja pescoço…

Para dar uma aliviada e um descanso para o público que pulou e cantou o tempo todo, Andre começa a solar com seu piano, onde se torna um dos momentos mais marcantes do show. Se havia ainda algum gelo entre a banda e a platéia, a partir deste momento passou a inexistir. Qual foi a gratificação de Andre ao ver que em cada nota o público respondia depois, fato que acabou se tornando uma agradável e descontraída brincadeira. A interação entre o músico e a platéia foi perfeita e inesquecível, que foi emendada com a bela “Fairy Tale”, que faz parte da trilha sonora da novela “O Beijo do Vampiro”.

Na seqüência, o SHAMAN manda ver com a sensacional pancadaria “Pride”, onde Andre para a surpresa e delírio dos fãs foi até a frente e cumprimentou a platéia da frente. A partir deste momento não há como descrever, a não ser quem compareceu para prestigiar a banda, o festival de carisma de todos do grupo. Aliás, foi um momento de total sincronia entre os fãs e o conjunto, algo que é obrigatório em um verdadeiro show de Heavy Metal: uma verdadeira festa com a mais pura diversão!!!

Após um breve intervalo, o grupo volta ao palco com o petardo que é “Ritual” (uma puta música e ao vivo ficou melhor ainda). Logo na seqüência, o SHAMAN manda a primeira e agradável surpresa do bis, nada menos que “Burn”, cover do DEEP PURPLE. O lugar simplesmente pegou fogo. No entanto, o SHAMAN realmente queria mais e, após Andre dizer que o grupo ficou impressionado com a animação da platéia e que esta não seria a primeira e nem a última vez que tocariam em Brasília e falar sobre a felicidade de estar em pleno Dia da Independência na capital federal, o grupo presenteia a todos com “Living For The Night” (do álbum Theatre Of Fate), obra-prima dos tempos do VIPER. Ninguém acreditou no que estava ouvindo, pois foi algo inexplicável, um momento realmente especial e inesquecível. Impossível não sentir um frio na barriga ao ouvir esta música, principalmente porque foi executada com muita emoção.

A banda sai mais uma vez do palco, mas não deixou de ouvir a platéia gritar e pedir insistentemente o primeiro clássico da época do ANGRA: “Carry On”, do álbum Angels Cry. Ao voltar para o bis, não é que eles atenderam? Será que precisa dizer que de deixou todos enlouquecidos? Vocês acham que parou por aí? Foi o final perfeito para o show, certo? Felizmente, todos se enganaram!!! O SHAMAN simplesmente se superou e bota o lugar abaixo, pois encerra uma noite de metal perfeita com “Painkiller”, cover do JUDAS PRIEST. Aliás, muitos devem ter passado em uma farmácia depois para comprar seu gelol…

Com um set list destes é até redundante dizer algo mais sobre este show inesquecível, principalmente porque Andre Matos, Luís Mariutti, Ricardo Confessori, Hugo Mariutti e Fábio Ribeiro (teclados de apoio) não só estavam inspirados como mostraram muita emoção em cada nota executada pelo conjunto. Agradecemos aos organizadores e ao SHAMAN. Voltem logo!!! Não se esqueçam que promessa é dívida!!!

Set List:

– Ancient Winds
– Here I Am
– Distant Thunder
– Time Will Come
– For Tomorrow
– Wings Of Reality
– Lisbon
– SOLO Hugo Mariutti
– Instrumental
– SOLO Ricardo Confessori
– Blind Spell
– Over Your Head
– SOLO Andre Matos
– Fairy Tale
– Pride
– Ritual

– Burn (Deep Purple)
– Living For The Night (Viper)

– Unfinished Allegro
– Carry On
– Painkiller (Judas Priest)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s